Casei e Fui para Pirenópolis – 1º Dia – Gastando Pouco

Olá pessoal! Continuando com uma série de artigos sobre Casei e Fui para Pirenópolis, contarei um pouco das aventuras que vivemos no primeiro dia. Pegamos o ônibus em Brasília às 10h30. As passagens custaram R$ 24,00 cada, mas só de ida. A de volta teria que ser comprada assim que chegássemos. O ônibus partiu e seguiu pela BR-070, sentido Águas Lindas, por cerca de 2h30 até Pirenópolis. Antes disso, avistamos uma belíssima queda d´água e o Camping Clube Hotel Salto Corumbá, que fica na entrada da cidade de Corumbá de Goiás. Vale a pena tirar fotos da cachoeira, mas com uma câmera boa…rsrs.
Chegamos à Estação Rodoviária de Pirenópolis às 13:00 e logo pedimos informações sobre a Pousada Recanto das Lajes (vale a pena se hospedar lá!). Partimos para a Rua Pirineus, na Vila Matutina e após caminhar 10 minutos, achamos!! Ainda bem que haviam placas indicando o caminho da pousada. Relaxamos em nosso quarto e amamos o local. Nos sentimos como se estivéssemos em casa! A pousada é simples, mas aconchegante. Um detalhe: fica bem pertinho do Rio das Almas (um dos principais da cidade). Dá para tomar banho lá quando quiser!
Entrada da pousada.
Nossa suíte!
Para quem quiser fugir do rio, tem uma piscina para curtir o dia na pousada.
Deixamos a nossa bagagem e gentilmente, o Alisson (que é um dos proprietários) nos levou de carro até o centro para almoçarmos. No caminho, passamos pela rodoviária, onde ele nos mostrou a Câmara Municipal, apresentou um pouco da cidade, da Igreja Matriz (um dos principais pontos de referência para chegar ao centro) e nos indicou alguns restaurantes! 
Ele nos alertou….”Bom, os preços costumam aumentar na Rua do Lazer, então existem opções mais econômicas por aqui!”. Agradecemos, saímos do carro e entramos no primeiro, o Restaurante Tempero do Rosário (valor por pessoa), porém, decidimos andar mais um pouco até encontrarmos o Restaurante Central, no quilo (para a nossa alegria!!). Meu prato saiu R$ 9,90 e do amor R$ 16,00. É, até que deu para começar o dia gastando pouco.
Decoração do Restaurante Central.
Depois de encher a barriga com comida caipira sô (estávamos com muita fome), fomos conhecer a cidade. Subimos pela Rua Comendador Joaquim Alves e ao chegar na Av. Pref. Sizenando Jaime encontramos o Banco Itaú e o Banco do Brasil, diversas lojas populares e um estabelecimento que vendia água de coco. Como meu marido ama, paramos para comprar um e depois retornamos rumo a Rua do Rosário, com um trecho conhecido como Rua do Lazer. Nessa rua tem de tudo: restaurantes requintados, música ao vivo, galerias de arte, sorvetes, picolés, pousadas, etc. Aos finais de semana, ela fica recheada de visitantes!

Eu tomando água de coco.

Entrada da Rua do Rosário.
Na Galeria Centro Histórico encontramos lojas de artesanato e restaurante.
Simpática loja Arte da Rua de pinturas e objetos que vende picolés e outras bebidas. Local interessante com uma exposição incrível!
Picolé de Olho de Sogra que comi na Loja Arte da Rua! O marido comeu de Jabuticaba. 
Praça do Coreto: local onde acontece a Feira das Artes nos finais de semana e feriados.
Só paramos no final do dia, quando voltamos para a pousada para molhar os pés no rio e descansar da caminhada. Até um cachorro apareceu para nos fazer companhia (veja no vídeo)
Rio das Almas que corta Pirenópolis e outras cidades do Goiás.

Após um cochilo, saímos às 20h00 para procurar o que comer. Caminhamos um pouco pela Rua do Lazer, para ver as opções, aliás, ela é magnífica à noite (com direito a um jantar à luz de velas e música). Porém, decidimos subir para a Rua Direita (tem uma rua com esse nome) e jantamos uma fogazza e um pastel de milho e frango na Fogazzaria Paulista. Bom, para quem não sabe, a fogazza é uma massa de influência italiana, semelhante ao calzone. Pode ser recheada com vários ingredientes. A nossa foi de presunto, queijo, orégano e tomate.

Tirando a passagem, os gastos foram os mesmos se comparados a um dia de lazer em Brasília. Procuramos opções econômicas, mas nem sempre encontramos. Porém, compensou o gasto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *